Pará

Área 1.247.689km²
(14,6% do território nacional)
Habitantes 6.970.586
(3,8% da população nacional)
Capital Belém

Belém

Santarém e região

Localizada a meio caminho entre Belém e Manaus, Santarém é um verdadeiro entreposto comercial e turístico, ponto de parada obrigatória das “gaiolas” e transatlânticos turísticos que navegam no rio Amazonas. É destino muito procurado pelos adeptos do ecoturismo, por sua natureza preservada e bela. Fundada no Século XVII, quando os portugueses ali aportaram para defender o território dos ingleses, tem hoje 275 mil habitantes, que vivem principalmente da pesca, do comércio, do extrativismo e da agricultura. É uma cidade calma e agradável, com alguns prédios que remontam ao Ciclo da Borracha, praias bonitas e boa estrutura.

O encontro das águas barrentas do rio Amazonas com as águas transparentes e azuis do Tapajós é um dos atrativos de Santarém. O outro é o balneário de Alter do Chão, distante 40 km da sede do município. As muitas e belas praias e ilhas do rio Tapajós, as trilhas da Floresta Nacional do Tapajós, os passeios de barco e as variadas opções de pesca esportiva atraem para Santarém visitantes do Brasil e do exterior, enquanto eventos culturais como a Festa do Sairé, realizada em Alter do Chão, em setembro, e o Círio de Nossa Senhora da Conceição, em novembro,mobilizam tanto turistas quanto a população nativa da região.

Santarém e região

Principais Atrativos

Encontro das Águas

O encontro das águas do rio Amazonas com as do rio Tapajós – que por vários quilômetros seguem sem se misturar – compõe um belo espetáculo. O fenômeno pode ser observado de perto por meio de barcos que saem, diariamente, do Terminal Fluvial Turístico ou da Praça do Mirante.

Igreja Nossa Senhora da Conceição

A igreja foi erguida em 1661, originalmente em taipa. A atual construção data de 1761. Nela está guardado o crucifixo do cientista alemão Von Martius, em meio a relíquias da colonização portuguesa. Praça Monsenhor Gregório, s/no, Centro.

Praça do Mirante do Tapajós

A Praça do Mirante é um dos lugares mais freqüentados em Santarém. Localizada defronte ao fenômeno do encontro das águas, tem música e comidas típicas. Avenida Tapajós, s/no, Centro.

Praia do Maracanã

Praia com boa infra-estrutura, conta com uma larga faixa de areia e muitas árvores. É comum a presença de botos exibindo-se nas águas do rio Tapajós. Acesso pelo bairro Maracanã, distante 6 km do Centro.

Ponta de Pedras

Balneário mais freqüentado pelos moradores de Santarém, Ponta de Pedras é banhada pelas águas do rio Tapajós. A praia tem formações rochosas que a diferenciam dos demais balneários de Santarém. Acesso pelas rodovias Fernando Guilhon e Everaldo Martins. Centro Cultural João Fona Ocupando um imponente prédio datado de 1867, relembra o poderio econômico de Santarém durante o Ciclo da Borracha. Hoje funciona como salão de exposições e oferece uma interessante coleção de peças arqueológicas das etnias indígenas da região, com destaque para a dos índios Tapajós. Avenida Adriano Pimentel, s/no, Prainha. Segunda a sexta, das 8h às 17h.

Centro Cultural João Fona

Ocupando um imponente prédio datado de 1867, relembra o poderio econômico de Santarém durante o Ciclo da Borracha. Hoje funciona como salão de exposições e oferece uma interessante coleção de peças arqueológicas das etnias indígenas da região, com destaque para a dos índios Tapajós. Avenida Adriano Pimentel, s/no, Prainha. Segunda a sexta, das 8h às 17h.

Terminal Fluvial Turístico

Durante o dia, o terminal – um trapiche que avança mais de 100 m sobre o rio Tapajós – é ponto de partida dos barcos que levam até o encontro das águas. À noite, transforma-se em espaço de lazer e gastronomia. Avenida Tapajós, s/no, Centro. Segunda a domingo, das 8h às 21h.

Museu Casa Dica Frazão

Numa casa antiga, com janelões em estilo português, mora a modista e artista Dica Frazão, que faz parte da história da cidade. Além de peças expostas em vitrinas, de suas mãos saem roupas e acessórios surpreendentes, feitos com tecido de patchouli e fibra de árvore, entre outros materiais. Rua Floriano Peixoto, 181, Centro. Segunda a domingo, das 8h às 18h.


Voltar

Santarém e região

Gastronomia

Peixes de água doce, carne bovina, frutos e temperos amazônicos compõem a saborosa culinária de Santarém, na qual a pimenta tem lugar de destaque. A conjunção das culinárias portuguesa e indígena deu origem a um cardápio original: o tacacá – suco extraído da mandioca –, preparado com tucupi, jambu e camarão; ou a maniçoba, que leva folhas da maniva cozidas por uma semana e depois é preparada com pedaços de porco salgado. Também não falta nos restaurantes o tambaqui na brasa, servido com farinha de mandioca torrada, acompanhado de batatas sauté.

Voltar

Santarém e região

Artesanato

A herança das etnias indígenas dos Tupaiús ou Tapajós enriquece o artesanato de Santarém. Figuras de animais como o urubu-rei e o sapo, esculpidas em argila, são aplicadas em vasos, panelas e, principalmente, em urnas funerárias. A tradicional cestaria em fibra de tucumã e em palha de buriti é largamente utilizada por etnias como os Sateré-Maué e os Mundurucu, que também trabalham com fibras da palmeira do açaí e de madeira. Mercadão 2000. Av. Tapajós s/no, esquina com a trav. Professor Carvalho e Frei Ambrósio. Segunda a sexta, das 6h às 18h. Sábado e domingo, das 6h às 11h30.

Voltar

Santarém e região

Arredores

Alter do Chão

A beleza de Alter do Chão atrai turistas do mundo inteiro, o ano todo, graças a seu clima equatorial úmido e temperatura média de 25 graus. Localizada na margem esquerda do rio Tapajós, oferece boa estrutura de hospedagem e gastronomia e deslumbra o visitante com praias de areia branca e águas translúcidas, que lhe deram o título de “Caribe Amazônico”. Uma rodovia asfaltada liga o balneário a Santarém, distante 40 km, mas nos meses de seca também é possível alcançar o lugar pelas margens do rio, de moto ou jipe. A atração turística mais famosa da cidade é a Ponta do Cururu, onde botos vermelhos – também conhecidos como cor-de-rosa – e tucuxis podem ser vistos nos fins de tarde. Destaque também para a Festa do Sairé, em setembro.


Voltar

Santarém e região

Acessos

Por via rodoviária

Por terra o acesso pode ser feito a partir de Belém, através das rodovias BR-316, PA-140 e BR-230 (Transamazônica) ou pela BR-163 desde Cuiabá (MT). O percurso leva três dias no verão e até oito dias no inverno.

Por via aérea

O Aeroporto de Santarém – batizado Maestro Wilson Fonseca – fica a 15 km do centro da cidade, com acesso pela Rodovia Fernando Guilhon, e recebe vôos regulares de Manaus e Belém.

Por via fluvial

Barcos partem regularmente de Belém e Manaus.

Distâncias

Belém: 850 km ou 50 h de barco.


Voltar