Minas Gerais

Área 586.528km²
(7% do território nacional)
Habitantes 19.237.450
(10,6% da população nacional)
Capital Belo Horizonte

Minas Gerais

Minas Gerais

Quinto centro urbano mais populoso do Brasil, com 2,4 milhões de habitantes, Belo Horizonte foi uma das primeiras cidades planejado país – substituiu Ouro Preto como capital de Minas Gerais em 1897, ano em que foi inaugurada. Com ruas arborizadas e avenidas largas, tem como grande destaque arquitetônico o Conjunto da Pampulha, projetado por Oscar Niemeyer quase duas décadas antes de Brasília. O conjunto abriga o principal cartão-postal da cidade, a Igreja São Francisco de Assis.

Um dos aspectos que mais encanta os visitantes em Belo Horizonte (chamada na intimidade apenas pelas iniciais, BH) é a variedade da gastronomia. Há de tudo na cidade, das deliciosas receitas típicas mineiras até sofisticados pratos da cozinha internacional. A vocação boêmia faz com que a capital mineira tenha fama de ser a recordista brasileira na quantidade de bares, botecos e botequins, concentrados nos bairros Savassi e Lourdes.

A vida cultural também é efervescente. Os vários museus da cidade demonstram a grande preocupação de Belo Horizonte em preservar e difundir sua história e tradições. Próxima das duas maiores cidades brasileiras, São Paulo e Rio de Janeiro, a capital mineira é também um dos principais destinos do turismo de negócios no país. O Expominas, maior centro de eventos da cidade, tem capacidade para 45 mil pessoas.

Os arredores de BH oferecem grande variedade de atrações, como as cidades históricas de Sabará e Santa Luzia, centenas de grutas e alguns parques nacionais, como os da Serra do Cipó, da Canastra e do Caraça, os três com inúmeras alternativas de lazer e diversão.

Belo Horizonte e região

Principais Atrativos

Conjunto arquitetônico da Pampulha

Inaugurado em 1943, era composto inicialmente pela Igreja de São Francisco de Assis, o Cassino (hoje Museu de Arte da Pampulha), a Casa do Baile (que atualmente abriga exposições temporárias sobre urbanismo, arquitetura e design) e o Iate Tênis Clube. Posteriormente, novos elementos foram incorporados, como o estádio de futebol Mineirão, o ginásio de esportes Mineirinho, o zoológico e o parque de diversões. O conjunto da Pampulha foi encomendado pelo então prefeito de Belo Horizonte, Juscelino Kubitschek, a um promissor arquiteto chamado Oscar Niemeyer. A “dobradinha” seria repetida quase duas décadas depois na criação de Brasília, quando Kubitschek, eleito presidente do Brasil, convocou Niemeyer para criar uma nova capital para o país.

Igreja de São Francisco de Assis

Destaque do Conjunto Arquitetônico da Pampulha, construída às margens da Lagoa da Pampulha, a igreja projetada por Oscar Niemeyer é considerada uma das obras mais significativas da arquitetura modernista brasileira. Abriga trabalhos de Cândido Portinari e Alfredo Ceschiatti, além dos jardins assinados por Roberto Burle Marx. Avenida Otacílio Negrão de Lima (Pampulha). Terça a sábado, 9h às 17h; domingo, 9h às 13h.

Museu de Artes e Ofícios

Inaugurado em 2005 nos prédios históricos da Estação Central, local em que funcionam uma estação de metrô e um ramal ferroviário, o museu tem acervo de 2 mil peças dedicado a contar a história do trabalho e dos ofícios no Brasil, incluindo uma série de profissões já extintas. Praça Rui Barbosa, s/ n°, Estação Central, Centro. Terça, quinta e sexta, 12h às 19h; quarta, 12h às 21h; sábado e domingo, 11h às 17h.

Museu de Arte da Pampulha

Primeiro projeto de Oscar Niemeyer, foi criado para abrigar o cassino da cidade, fechado em 1946 em decorrência da proibição do jogo no Brasil. Na década seguinte, o chamado “Palácio de Cristal” foi transformado em museu. Com acervo de 1,6 mil obras de artistas brasileiros, promove exposições temporárias. Avenida Otacílio Negrão de Lima, 16.585, Pampulha. Terça a domingo, 9h às 19h.

Museu Histórico Abílio Barreto

Instalado em um antigo casarão colonial datado de 1843 – anterior à construção de Belo Horizonte, portanto –, o museu guarda um acervo com mais de 7 mil peças que contam a história da região. Além do casarão secular, há um moderno edifício-sede e jardins que incluem um palco para shows ao ar livre. Rua Bernardo Mascarenhas, s/ n°, Cidade Jardim. Terça a domingo, 10h às 17h; quinta, 10h às 21h.

Museu de História Natural

Instalado em uma área de 600 mil m², reúne exemplares significativos a flora e fauna brasileiras. O acervo inclui também réplicas de fósseis, coleção de mineralogia e arqueologia, além do Presépio do Pipiripau, com 580 figuras em movimento que narram a vida de Cristo em 45 diferentes cenas, obra centenária iniciada por Raimundo Machado de Azevedo em 1906. Rua Gustavo da Silveira, 1.035, Santa Inês. Terça a sexta, 8h às 11h30 e 13h às 16h; sábado e domingo, 10h às 17h.

Museu de Ciências Naturais

Instalada na Pontifícia Universidade Católica (PUC), a coleção de paleontologia do museu reúne atrações que encantam as crianças, como as réplicas de grandes dinossauros, os fósseis de mamíferos e as carapaças de tatu, além da réplica de uma caverna. Avenida Dom José Gaspar, 290, Coração Eucarístico. Terça a sexta, 8h30 às 16h; sábado, 9h30 às 16h.

Museu da Mineralogia

Guarda mais de 3 mil amostras de minerais encontrados ao redor do mundo, parte dos quais permanece em exposição. Avenida Bia Fortes, 50, Funcionários. Terça a sexta, 8h às 17h; sábado e feriados, 9h às 17h; domingo, 10h às 17h.

Museu Mineiro

Sede do Senado Mineiro no início do Século XX, o prédio em estilo eclético, com elementos neoclássicos, abriga o museu desde 1977. O acervo está relacionado à produção cultural mineira através dos tempos, com destaque para a arte sacra colonial. Avenida João Pinheiro, 342, Centro. Terça a sexta, 10h às 18h; sábado, domingo e feriados, 10h às 16h.

Museu dos Brinquedos

O acervo tem mais de 5 mil peças dos séculos XIX e XX, das quais 600 permanecem em exposição. Avenida Afonso Pena, 2.564, Funcionários. Terça a sexta, 8h30 às 17h; sábado, 9h30 às 17h.

Palácio das Artes

Maior complexo cultural mineiro, projetado por Oscar Niemeyer, foi inaugurado em 1971. Possui três teatros – o maior deles decorado de forma luxuosa –, três galerias de arte e um cinema. Livraria, café e o Centro de Artesanato Mineiro completam a estrutura. Avenida Afonso Pena, 1.537, Centro.

Praça da Liberdade

Planejada para abrigar a sede do governo de Minas Gerais na nova capital, a praça foi construída junto com Belo Horizonte e inaugurada em 1897. Com o passar das décadas, tornou-se uma síntese dos estilos arquitetônicos do Século XX. Tanto o Palácio da Liberdade, com escadaria de ferro e estruturas metálicas importadas da Bélgica, quanto as primeiras secretarias de Estado, seguiram a tendência da época e exibem estilo eclético, com elementos neoclássicos. Nos anos 1940, o Palácio Cristo Rei foi construído em estilo art-déco. Nas duas décadas seguintes, a praça ganhou traços modernos, com o Edifício Niemeyer e a Biblioteca Pública. O pós-modernismo marca presença com o Memorial da Mineração, prédio conhecido como “Rainha da Sucata”. O traçado do interior da praça e os jardins são inspirados no Palácio de Versailles. Praça da Liberdade, Funcionários.

Parque Municipal

Inaugurado em 1897, foi inspirado nos parques franceses da Belle Époque, com lago e coreto. Abriga orquidário e cerca de 50 espécies de árvores centenárias, além do Teatro Francisco Nunes e do Palácio das Artes. Fica no centro financeiro da cidade. Avenida Afonso Pena.

Parque das Mangabeiras

Maior área verde da cidade, com 2,3 milhões de m², localiza-se no bairro de mesmo nome, nas encostas da Serra do Curral. Há trilhas com subidas fortes e um mirante com vista para a cidade. Avenida José Patrocínio Pontes (acesso Sul) e Avenida Bandeirantes (acesso Norte). Terça a domingo e feriados, 8h às 18h.

Mercado Central

É um dos bons lugares para conhecer a alma da capital mineira. Além de hortifrutigranjeiros, as mais de 400 lojas oferecem produtos típicos, como doces, queijos e cachaças. Os bares instalados no Mercado ficam lotados nos fins de semana. Avenida Augusto de Lima, 744, Centro.

Parque Ecológico da Pampulha

Área de lazer instalada em uma ilha artificial, formada com material de desassoreamento retirado do fundo da lagoa que dá nome à região. Com 300 mil m², é uma das maiores áreas verdes da cidade. Tem bicicletário e pista para caminhadas. Avenida Otacílio Negrão de Lima, 7.111, Pampulha. Terça a quinta, grupos agendados. Sexta a domingo e feriados, 8h30 às 17h.

Zoológico e Jardim Botânico

Criada em 1991, a Fundação Zôo-Botânica abriga mais de 200 espécies animais do Brasil e de outras partes do mundo, além de um borboletário. O Jardim Botânico ocupa uma área de 10 hectares dentro do complexo. Avenida Otacílio Negrão de Lima, 8.000, Pampulha. Terça a domingo, 8h30 às 16h.

No Mundo das Águas

Aquários abrigam quase 200 espécies de animais da água doce e salgada, de corais a tubarões. Há também exposição de conchas e de peças de naufrágio. Rua Montes Claros, 322, Carmo Sion. Terça a sexta, 13h às 18h; sábado e feriados, 10h às 19h; domingo, 10h às 18h.


Voltar

Belo Horizonte e região

Gastronomia

Minas Gerais é famosa por sua deliciosa culinária típica. Em Belo Horizonte, o visitante encontra uma ótima rede de restaurantes de comida regional, incluindo pratos típicos como leitão à pururuca, tutu de feijão, canjiquinha com costelinha de porco, vaca atolada (preparada com costela de boi e mandioca), feijão tropeiro e frango ao molho pardo. E que tal uma sobremesa de doce de goiaba – ou de leite, abóbora ou mamão –, que ficam muito bem acompanhadas por queijo branco? As opções de cozinha internacional não deixam por menos, com destaque para as culinárias francesa e italiana. A cidade é reconhecida também pela quantidade e qualidade de seus bares, a ponto de haver um concurso anual para eleger os melhores em várias categorias, de tiragostos a temperatura da cerveja.

Voltar

Belo Horizonte e região

Artesanato

O artesanato mineiro é famoso em todo o Brasil. Belo Horizonte tem muitas lojas e centros de compra especializados nesse tipo de produto. É possível encontrar trabalhos de todas as partes de Minas Gerais. Regularmente, acontecem grandes feiras artesanais na capital.

Feira de Arte e Artesanato da Afonso Pena

Um trecho da Avenida Afonso Pena que cobre dois longos quarteirões é fechado para a realização da feira, todo domingo. Milhares de visitantes são atraídos pelos produtos expostos em cerca de 3 mil barracas, incluindo móveis, roupas, calçados, tapeçaria, jóias, flores, artigos de decoração e artesanato de diversos tipos. Avenida Afonso Pena, Centro. Domingo, 8h às 14h.


Voltar

Belo Horizonte e região

Negócios e Eventos

Belo Horizonte é um dos principais centros de turismo de negócios no país. Sua rede hoteleira possui cerca de 14 mil leitos, de diferentes padrões. E opções de happy hour não faltam: a cidade tem mais de 12 mil bares e restaurantes. Os grandes eventos são realizados no Expominas, com 72 mil m² de área construída, totalmente climatizada, e capacidade para 45 mil pessoas.

Expominas

Avenida Amazonas, 6.030,
Gameleira.
Tel.: (31) 3217-7856
www.expominas.com.br


Voltar

Belo Horizonte e região

Arredores

SANTA LUZIA

Com mais de três séculos de existência, desde que a vila surgiu em torno do garimpo de ouro às margens do Rio das Velhas, a cidade (localizada a 26 km de Belo Horizonte) conserva casarões e igrejas antigas em seu centro histórico. Destacam-se o Convento de Macaúbas (datado de 1715), o Solar Teixeira da Costa (1745) e a Matriz de Santa Luzia (1778).

SABARÁ

Cidade histórica localizada a apenas 23 km de Belo Horizonte, origina-se de um ponto de parada que começou a ser utilizado em 1674 por bandeirantes que exploravam a região em busca de minérios e pedras preciosas. Entre os destaques do conjunto arquitetônico estão o Solar do Padre Correia, atual prefeitura (edificada em 1773), e uma série de igrejas do mesmo Século XVIII – Nossa Senhora do Ó (1717), Conceição (1710), do Carmo (1763), do Rosário (1713), São Francisco (1781) e Nossa Senhora das Mercês dos Homens de Cor (1781). A cidade oferece boa estrutura de hospedagem e gastronomia.

INHOTIM CENTRO DE ARTE CONTEMPORÂNEA

Localizado em Brumadinho, a 60 km de Belo Horizonte, abriga numa área de 35 hectares uma coleção botânica de espécies tropicais e obras de arte contemporâneas. Alguns dos muitos jardins encontrados no local foram criados pelo paisagista Burle Marx. Rua B, 20, Brumadinho. Quinta a domingo e feriados, 9h30 às 16h30.

CIRCUITO DAS GRUTAS: SETE LAGOAS, CORDISBURGO, LAGOA SANTA

Das 3 mil grutas existentes no Brasil, mais de 2 mil ficam em Minas Gerais – e 500 fazem parte desse circuito, das quais as mais conhecidas são a de Maquiné (em Cordisburgo), a da Lapinha (em Lagoa Santa) e a Rei do Mato (em Sete Lagoas), abertas à visitação. Foi nessa região, localizada a cerca de 110 km de Belo Horizonte, que o pesquisador dinamarquês Peter Lund fez suas principais descobertas arqueológicas, incluindo inscrições rupestres.

CORDISBURGO

A “cidade do coração”, localizada a 113 km de Belo Horizonte, é a terra natal do famoso escritor Guimarães Rosa, autor de Grande Sertão: Veredas. A casa em que ele viveu abriga um museu com fotos e objetos pessoais. A Gruta do Maquiné, uma das maiores do estado que tem visitação permitida, fica a 5 km do Centro.

PARQUE NACIONAL DA SERRA DO CIPÓ

Considerada pelo paisagista Burle Marx o “Jardim Botânico do Brasil”, tamanha a diversidade da fauna e da flora nela encontrada, a Serra do Cipó (localizada a 100 km de Belo Horizonte) oferece uma série de atividades de ecoturismo. Os municípios abrangidos por ela – Itambé do Mato Dentro, Jaboticatubas, Morro do Pilar, Nova União e Santana do Riacho – promovem festas folclóricas e religiosas que encantam os visitantes.

PARQUE NACIONAL DO CARAÇA

Fica nos municípios de Catas Altas e Santa Bárbara, a 110 km de Belo Horizonte. Caraça é o nome de uma montanha cujo contorno lembra o rosto de um gigante deitado; daí o nome que significa “grande rosto”. O visitante pode visitar construções históricas como o Colégio e o Mosteiro do Caraça, concluído em 1775.

PARQUE NACIONAL DA SERRA DA CANASTRA

Localizado a 330 km de Belo Horizonte, foi criado para proteger as nascentes do rio São Francisco, que cruza cinco estados brasileiros. Abriga também diversos animais ameaçados de extinção. Há atividades como passeios de jipe, arvorismo e bóia-cross. São Roque de Minas, a cidade onde fica a sede do Parque, oferece boas opções de hospedagem.

PIRAPORA – BARCO A VAPOR NO RIO SÃO FRANCISCO

O principal atrativo da cidade, localizada a 325 km de Belo Horizonte, são os passeios pelo rio São Francisco a bordo do barco a vapor Benjamim Guimarães. Construído em 1913 nos Estados Unidos, o barco foi usado no rio Mississipi e pertenceu a uma companhia de navegação do rio Amazonas antes de ser adquirido por uma empresa de Pirapora. A cidade é também conhecida por abrigar um dos melhores carnavais de MG e organizar a prática de esportes radicais, como rafting e rapel.

ARAXÁ

Localizada a 375 km de Belo Horizonte, é muito visitada por grupos de terceira idade interessados nos benefícios de suas águas terapêuticas e nos sabonetes de lama, feitos com material extraído da cratera de um vulcão extinto. O Tropical Grande Hotel, construído na década de 1940 para sediar um cassino, é o cartão-postal da cidade.


Voltar

Belo Horizonte e região

Acessos

Por via rodoviária

De São Paulo: BR-381 (Rodovia Fernão Dias).
Do Rio de Janeiro: BR-040.
De Brasília: BR-040.

Por via aérea

O Aeroporto Internacional Tancredo Neves (Confins) recebe vôos de todas as capitais do Brasil.

Distâncias de Belo Horizonte

São Paulo: 602 km
Rio de Janeiro: 444 km
Brasília: 740 km


Voltar